Blog

métodos de controle de estoque

Conheça os 8 principais métodos de controle de estoque

A definição dos métodos de controle de estoque é fundamental no setor de distribuição e logística, pois determina aspectos operacionais e financeiros da empresa.

O tipo de negócio vai influenciar qual a melhor opção entre os métodos de controle de estoque. A escolha de uma estratégia acertada de acordo com o ramo garante benefícios como:

  • Otimização do espaço físico do estoque;
  • Otimização de custos;
  • Redução de desperdícios e prejuízos;
  • Organização de compras;
  • Eficiência na gestão de produção.

A seguir, conheça mais sobre as opções para controle de estoque e como a tecnologia influencia nessa área.

Leia mais: Como otimizar a gestão de compras em empresas de distribuição

8 métodos de controle de estoque

Vamos apresentar 8 métodos de controle de estoque, mas destacamos que a Receita Federal aceita três deles para cálculo dos tributos (PEPS, UEPS e Custo Médio), enquanto os demais podem ser usados internamente para melhorarem a gestão.

1. PEPS

O método de gestão de estoque PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai) é um dos mais praticados e refere-se à saída das mercadorias de acordo com a ordem cronológica.

Essa opção ajuda na redução de desperdícios principalmente em segmentos que lidam com produtos perecíveis.

2. UEPS

A sigla UEPS significa Último a Entrar, Primeiro a Sair e é justamente o contrário do método PEPS.

Nesse caso, a gestão prioriza a saída dos itens que entraram por último no estoque, pois eles são mais caros do que os que já estão no armazém. Esse método não atende empresas que trabalham com perecíveis.

Leia também: Como implementar a transformação digital nas empresas de distribuição e logística

3. Custo Médio

O Custo Médio, também chamado de MPM (Média Ponderada Móvel) também é aceito pela Receita para cálculo dos tributos.

Nesse modelo, deve-se somar o valor dos produtos já em estoque e os novos produtos dividindo pelo total de mercadorias. O resultado consiste no custo médio por produto e deve ser o valor usado para calcular as tributações da empresa.

4. Just in Time

Entre os métodos de controle de estoque que não podem ser usados diretamente com a Receita destaca-se o Just in Time, ou ‘No Tempo Certo’.

Esse modelo é recomendado para manutenção de um estoque mínimo, sendo indicado para empresas que querem reduzir custos de armazenagem.

Para maior acerto nas operações, recomenda-se usar um sistema de gestão empresarial – ERP – para previsibilidade e controle do estoque.

5. Curva ABC

Entre os métodos usados na gestão de estoque destaca-se a Curva ABC, pela qual são considerados fatores como giro, faturamento e lucratividade para elencar os produtos em três categorias:

  • Tipo A: 20% dos produtos e 80% do valor do estoque;
  • Tipo B: 30% dos produtos e 15% do valor do estoque;
  • Tipo C: 50% dos produtos e 5% do valor do estoque.

Entre os benefícios da Curva ABC é que ela aumenta o conhecimento sobre o giro de estoque e relevância dos produtos, podendo otimizar a operação.

Saiba mais: Tudo o que você precisa saber sobre curva ABC e como utilizá-la na gestão de estoque

6. Preço Específico

Opção para controle de estoque recomendada para produtos como carros ou maquinários.

Nesse cálculo o preço específico da mercadoria orienta o processo de baixa dos produtos no estoque após a venda, considerando que o valor total do estoque consiste na soma dos custos específicos dos itens.

7. Giro de estoque

O controle por giro de estoque é calculado para identificar o desempenho da empresa de distribuição em determinado período, identificando fluxo das mercadorias.

Para calculá-lo é preciso avaliar a capacidade de armazenagem e saída dos produtos. Por exemplo, se a empresa armazena 5 mil celulares simultaneamente e vende 100 mil ao ano, o cálculo é: 20 giros anuais a cada 18 dias, em média.

Leia também: Giro de estoque: vale a pena fazer a gestão de um ou mais armazéns?

8. Ciclo PDCA

O ciclo PDCA para controle de estoque é baseado nos processos Plan (planejar), Do (fazer), Check (verificar), Act (agir). Ele é focado no operacional e resolução de problemas. Um exemplo de passo a passo inclui:

  1.     Identificar o processo que causa problema e precisa ser otimizado;
  2.     Mapear as causas do problema;
  3.     Traçar planos de ação para solucionar as causas do problema;
  4.     Colocar os planos de ação em prática;
  5.     Verificar se houve a resolução se o problema.

A identificação de qual ou quais métodos de controle de estoque são mais adequados ao negócio depende do mapeamento das necessidades e especificidades do segmento.

Saiba mais: Como otimizar a eficiência e produtividade nas empresas de distribuição?

Quais os diferenciais do SAP Business One no controle de estoque?

Independentemente do método de gestão de estoque adotado, o sistema ERP agrega na operação uma vez que viabiliza o controle centralizado das operações.

O SAP Business One, fornecido pela Ramo Sistemas, tem funcionalidades específicas para negócios do setor de distribuição e logística, incluindo:

  • Gestão de estoque e depósito;
  • Gestão de localização no depósito;
  • Controle de entrada e saída de mercadorias;
  • Planejamento de produção e material;
  • Integração entre depósito e contabilidade;
  • Relatórios eficientes.

Veja mais: Sistema ERP: como a análise preditiva otimiza a produtividade no setor de distribuição

Com a tecnologia, os gestores podem escolher entre diferentes métodos de controle de estoque com eficiência e garantia de praticidade operacional.

Quer melhorar o desempenho do seu estoque? Saiba mais sobre o SAP Business One disponibilizado pela Ramo Sistemas aqui!

Baixe agora nosso Checklist da Gestão Empresarial e saiba como gerenciar e integrar áreas no setor de distribuição.