Blog

tecnologias disruptivas

Como as tecnologias disruptivas aumentam a produtividade das indústrias

A denominada Indústria 4.0, que utiliza a automação e as tecnologias disruptivas nos processos de produção, já é uma realidade em âmbito global. Inclusive, todos os portes de empresas podem ser beneficiados. Para se ter uma ideia, uma pesquisa do Senai indica que a inovação tecnológica permite aumentar a produtividade de pequenas e médias empresas em cerca de 22%.

Com essa verdadeira revolução em andamento no cotidiano organizacional de indústrias, se torna essencial inovar e investir em ações para tornar as atividades mais inteligentes, ágeis e econômicas.

Como resultado, é possível obter diferenciais competitivos e conquistar novos consumidores. Com isso, há melhores resultados e lucratividade.

Leia também: Automação de processos industriais: tudo o que sua indústria precisa saber para implementá-la

Afinal, o que são as tecnologias disruptivas?

Apesar do conceito ser cada vez mais comum, muitos empreendedores ainda têm dúvidas sobre o que ele realmente significa. As tecnologias disruptivas são aquelas que revolucionam as soluções utilizadas anteriormente ou simplesmente criam um novo mercado, serviço ou produto.

Normalmente, o que define o caráter disruptivo de uma tecnologia é a melhoria proporcionada em relação ao custo-benefício dos processos envolvidos. Além disso, elas otimizam a performance, geram aperfeiçoamento de atividades na prática ou causam inovação.

Quais os recursos mais utilizados nas indústrias atualmente?

Para acompanhar um mercado em que as mudanças ocorrem de forma acelerada, é fundamental que os gestores identifiquem e invistam em recursos para otimizar os processos e implementar inovações nos modelos operacionais.

Pensando nisso, listamos as tecnologias disruptivas mais utilizadas pelas indústrias atualmente. Confira:

1. Inteligência artificial

A inteligência artificial (IA) tem sido amplamente aplicada para a análise de dados, identificação de oportunidades, geração de insights, melhora no desempenho e prevenção de falhas.

Na prática, a indústria pode detectar que determinada máquina precisa de um número maior de manutenções do que as outras. Assim, é possível decidir que a troca é mais vantajosa do que o investimento em reparos frequentes.

Conclusões como essa podem ajudar a reduzir custos a médio e longo prazo. Não é à toa que previsões do Gartner apontam que, até 2021, 40% das novas aplicações empresariais implementadas por prestadores de serviços se valerão da IA.

Saiba mais: Como a gestão inteligente facilita a implementação de inovação na indústria

2. Robótica avançada

O uso de robôs na indústria tem tido um aumento crescente. Elas trazem benefícios tanto para os profissionais como empresas, já que se ocupam de tarefas repetitivas e até mesmo insalubres. Assim, contribuem de forma considerável com a produtividade, já que podem produzir durante 24 horas, todos os dias da semana.

Com isso, os trabalhadores também podem se ocupar de atividades mais estratégicas, gerando mais inteligência de negócios.

3. Internet das coisas

A internet das coisas (IoT) é uma das tecnologias disruptivas mais utilizadas pelo segmento industrial. Isso porque, por meio de sensores instalados em máquinas e equipamentos, permite controlar as operações de qualquer lugar e gerar dados em tempo real para uma tomada de decisão mais ágil e assertiva.

Segundo estudo do BNDES, no Brasil, até 2025, a adoção do recurso pela indústria deve movimentar até US$ 45 bilhões.

Além das aplicações citadas, as máquinas de IoT podem ser programadas para executarem tarefas sem a intervenção humana. O controle de estoque de uma organização, por exemplo, pode ser otimizado com soluções de IoT conectadas a um sistema de gestão empresarial (ERP).

Leia também: Conheça as melhores práticas de gestão da produção industrial

Conheça o SAP Business One

Nesse contexto em que as tecnologias disruptivas se encontram à disposição das indústrias, o SAP Business One, ERP disponibilizado pela Ramo Sistemas, traz diversos diferenciais. Assim, é possível integrar setores, centralizar dados, ter uma visão total da empresa e contribuir com melhores resultados.

As principais funcionalidades do sistema incluem:

  • Estrutura do produto;
  • MRP e MRP II (Material Requirement Planning ou planejamento das necessidades de materiais);
  • Controle de qualidade;
  • Apontamento da produção;
  • Controle de custos;
  • Controle avançado da produção;
  • APS – Planejamento e Controle Avançado;
  • Internet das Coisas (IoT).

Quer saber mais sobre o sistema de gestão integrado e como ele pode auxiliar sua indústria nas mais diversas áreas? Então, entre em contato com um de nossos especialistas agora mesmo!

Baixe agora nosso Checklist da Gestão Empresarial e saiba como gerenciar e integrar áreas no setor de distribuição.